Conheça a época em que as crianças eram enviadas pelo correio

Uma das inovações mais negligenciadas, porém uma das mais significativas do início do século 20 pode ter sido a decisão da Agência Postal de começar a expedir grandes encomendas e pacotes.

Mas quase imediatamente, ocorreram algumas conseqüências não desejadas devido alguns pais tentarem enviar suas crianças através do correio. É isso mesmo: conheça a época em que as crianças eram enviadas pelo correio:

“Aconteceram algumas manchetes sobre o ocorrido, provavelmente porque era algo tão bonito”, disse o historiador do Serviço Postal dos Estados Unidos, Jenny Lynch, ao site Smithsonian.com.

Um caso foi o de Jesse e Mathilda Beagle, um casal de enviou seu filho de 8 meses, James, para sua avó, que morava a poucos quilômetros de distância em Batávia. De acordo com Lynch, o bebê James era bem leve para o limite de 5kg para os pacotes enviados via Parcel Post, e sua “entrega” custou aos seus pais apenas 15 centavos (embora eles resolveram pagar 50 dólares para assegurá-lo). O caso bizarro logo apareceu em jornais, e nos próximos anos, histórias semelhantes ocasionalmente apareciam já que outros pais seguiram o exemplo.

Outro caso famoso ocorreu em 19 de fevereiro de 1914, no qual uma menina de quatro anos chamada Charlotte May Pierstorff foi enviada via trem de sua casa em Grangeville, Idaho, para a casa de seus avós a cerca de 120 km de distância. Sua história se tornou tão famosa que foi até transformada em um livro infantil, Mailing May.

Ao longo dos anos, essas histórias continuaram a surgir de vez em quando já que os pais ocasionalmente conseguiam mandar seus filhos por correio graças aos trabalhadores rurais que permitiam isso. Finalmente, em 14 de junho de 1913, vários jornais, incluindo o Washington Post, New York Times e o Los Angeles Times, publicaram histórias confirmando oficialmente que essa era uma realidade e que as crianças não poderiam mais ser enviadas pelo correio, sob punições severas da lei.

Fonte: Mistérios do Mundo

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.